Última prática de tango no Cresça

Hoje (29) a partir das 20 horas última prática de tango de 2010 no Núcleo de Dança do Cresça. Convide os amigos para conhecer e leve algo para confraternizar com os demais. Até lá!

Anúncios

O Maradona de ‘Viver a vida’ dá dicas para quem vai a Buenos Aires

Coluna EXTRA ONLINE
Enviado por Carolina Marques 21.11.2010| 09h18

Sonha beber um bom vinho, assistindo a shows de tango, sentindo a atmosfera da capital mais europeia da América do Sul? A realidade pode estar ao alcance. Com o real valendo duas vezes o peso argentino, a boa é voar para Buenos Aires. A seguir, confira dez locais imperdíveis na cidade indicados por Mario Jose Paz, o eterno Maradona de ‘Viver a vida’


El Ateneo

“É um ícone de Buenos Aires. Era um teatro, o Grand Splendid, depois passou a ser um cinema e, então, livraria. No lugar das poltronas, há estantes com milhares de livros, CDs e DVDs. E o palco — onde o cantor de tango Carlos Gardel se apresentava — virou um café”. (Avenida Santa Fé 1860, Recoleta.

Café Tortoni

”Fica no chamado microcentro de Buenos Aires, em plena Avenida de Mayo. É um lugar histórico, tradicional, e está funcionando há 150 anos. É como a Confeitaria Colombo, no Rio. Não deixe de provar os churros, os sanduíchescom presunto de parma e o chocolate quente. Se der sorte, assista aos excelentes shows de tango no local“. (Avenida De Mayo 825)

Malba (Museu de artes latinoamericano de Buenos Aires)

”É um lugar belíssimo, sempre com exposições interessantes. Tem arquitetura moderna e integrada, que possibilita a integração de várias galerias de arte“. (Avenida Figueroa Alcorta 3415 C1425CLA: quintas-feiras, sextas e feriados das 12h às 20h. Quartas, até as 21h. Fecha às terças)

El Sanjuanino

”É um lugar simples e aconchegante, com as melhores empanadas de toda a Argentina. Eles funcionam há 40 anos, já existem filiais em Buenos Aires. Destaque para as empanadas de carne e carne picante, a $3“ (Sánchez de Bustamante 1788, Palermo).

Recoleta

“É um bairro nobre da capital argentina, com muitos atrativos. Bom para bater perna. Seja para procurar artigos de grife — Louis Vutton está lá — quanto conhecer o trabalho de designers modernos, na Galeria Buenos Aires. Aos sábados, tem feira de artesanato e muitas atrações gratuitas”.

Museu Evita


“O Museu Evita está instalado num antigo casarão e exibe fotos, documentos, $, vestidos, joias, revistas e brinquedos que testemunharam a vida e a obra de Eva Perón” (Av. Lafinur 2988, Recoleta: de terça a domingo, e feriados, das 14h às 19h30m. A entrada custa $5).

Galeria Pacífico


“É um edifício centenário, restaurado, onde antes funcionava uma galeria de arte. Quanto às lojas, são de excelente nível, incluindo nomes como Cacharel e Yves Saint Laurent. Destaque também para as várias casas especializadas em artigos de couro”. (Calle Florida e Av. Córdoba, Centro).

Microcentro

”Não deixe de andar por Buenos Aires. Entre pela Av. Corrientes. Vá do Obelisco, um dos monumentos mais típicos da cidade, e siga até o número 1700. Há uma infinidade de livrarias e cafés literários. Os preços são variados, mas há lojas especializadas em vender livros baratos, que podem sair por apenas $2“.

Teatro Colón

”Mesmo que você não possa assistir a um espetáculo, não deixe de realizar uma visita guiada e conhecê-lo por dentro“ (Cerrito 628).

Restaurante El Globo

”É um lugar bem tradicional, mas sem luxo. Coma o guisado com carne de porco, carne bovina, bacon e frango“. (Hipólito Yrigoyen 1199)

Crédito: ExtraOnline

Para os apreciadores do tango de São Paulo

Seções/ Ainda dá tempo

Publicado 21/11/2010

 

Tango sob dois olhares – última apresentação

Foto: Reginaldo Azevedo.

Neste domingo, 21 de novembro, no Teatro de Dança, o público terá a oportunidade de rever o espetáculo ganhador da primeira edição do Prêmio Teatro de Dança 2009: “Tango sob dois olhares”, da Raça Cia. de Dança, com direção geral de Edy Wilson. Neste espetáculo, a coreógrafa Roseli Rodrigues buscou inspiração em “dois olhares” a partir do Tango: no primeiro, uma admiração profunda, representada pelas músicas de renomados compositores argentinos e pela leveza de uma dança precisa. O segundo, sob uma visão contemporânea de uma dança fluida e emocional, impressa no palco através da movimentação de seus bailarinos. Durante a apresentação, é possível compreender o ritmo em diversos momentos de sua história. “Para o público, muitas vezes o importante é que o espetáculo emocione, independentemente de ideias mirabolantes”, diz Edy Wilson, resumindo a verdadeira alma deste espetáculo.


Serviço:

Tango sob dois olhares

21 de novembro de 2010 às 18h

TD – Teatro de Dança

APAA – Associação Paulista dos Amigos da Arte

Avenida Ipiranga, 344 – Subsolo, Edifício Itália

Informações: (11) 2189 – 2557

Capacidade: 278 lugares / Ar-condicionado / Acessibilidade para pessoas com necessidades especiais

Ingressos: R$ 4,00 (inteira) e R$ 2,00 (meia)

Estacionamento: R$ 15,00 com manobrista

www.teatrodedanca.org.br

Duração: 45 minutos

Classificação: Livre

Crédito: O toupeira

Improviso na dança de salão

Professor de Dança de Salão há 11 anos, Vandré  Vitorino pesquisa o improviso como forma de descobrir novos caminhos na dança a
dois. A cada passo, possibilidades apresentam novos ritmos e dinâmicas, trazendo liberdade entre os corpos.  Formado em dança contemporânea pela Escola Angel Vianna e pós-graduando em terapia através do movimento, pela mesma instituição, Vandré desenvolve sua pesquisa em academias de dança de salão no Rio de Janeiro, como no Espaço Improviso, de Mauro Lima e Adriana Aguiar.

Artista-pesquisador do Colaboratório, programa de residência artística do Festival Internacional Panorama de Dança, Vandré foi
também artista-bailarino da Cia de Dança Carlinhos de Jesus, da Cia Dacapo e da Pulsar Cia de Dança, levando à cena diversos trabalhos e participando de festivais de Dança pelo Brasil e do circuito Sesc Rj, em 2010.

Cartas de Buenos Aires Tango para iniciados

Blog do Noblat

Enviado por Gisele Texeira 16.11.2010 / 14h40

Cartas de Buenos Aires para iniciados

Todo mundo que vem pela primeira vez a Buenos Aires tem vontade de ir a uma “cena show”, um espetáculo de tango de palco, bem estilizado e com jantar. Mas vira e mexe alguém me pede uma sugestão de “cena show para não turistas”.

Sempre digo a mesma coisa: não existe. É como querer um show de mulatas no Rio de Janeiro para cariocas da gema. Ou show de boleadeiras para gaúchos!

Isso não quer dizer que esses espetáculos não valham à pena. Ao contrário. Os shows de tango são em geral bonitos e bem produzidos. Agora, para quem vem pela segunda vez a capital argentina, há uma série de alternativas para escutar e/ou ver tango de qualidade.

É para esses que escrevo a coluna de hoje, com algumas dicas.

A primeira sempre é o Centro Cultural Torquato Tasso. De longe, um dos melhores locais da cidade para se ouvir tango.

Este mês a casa recebe Juan Carlos Baglietto e Lito Vitale, um duo que já faz parte da música argentina e não tocava junto há nove anos. A dupla apresenta todas as sextas e sábados de novembro o disco «Postales del Alma», ganhador do Grammy Latino de melhor CD de tango.

Outra casa que vem se esmerando na programação é o Café 36 Billares, na Avenida de Mayo. Por 40 pesos (R$ 20,00) é possível ver este mês Esteban Morgado e quarteto (violão, violino, bandoneon e contrabaixo), apresentando o novo CD Sueño Porteño, que inclui tangos, mas também peças de Seru Giran e Fito Paez.

As orquestras típicas de tango, experiência imperdível, se apresentam geralmente nas milongas (lugares onde as pessoas vão dançar tango, mais ou menos como as gafieiras). Os preços são muito acessíveis, em torno de R$ 15. Uma orquestra típica geralmente é formada por quatro bandoneons, quatro violinos, contrabaixo e piano. Além do cantor, claro.

Para ver onde elas estão é preciso sempre checar a programação. Há uma movida tangueira intensa. A agenda mais atualizada e diversa é a da revista Punto Tango.

As milongas também são os melhores lugares para ver dançar os bailarinos profissionais e aqueles com anos de praia. Normalmente há uma apresentação de um casal renomado antes de os “normais” entrarem na pista, mas tudo sem muita produção.

Nesse caso, é uma experiência antropológica visitar uma milonga tradicional como a Confeitaria La Ideal, Gricel, Salón Canning ou El Beso. Ou então uma bem moderna, como La Viruta. E até uma gay, La Marshall.

Há espetáculos com produção intermediária entre a casa de show e a milonga, apresentados em pequenos teatros. É o caso do espetáculo Fabulandia, formado por oito bailarinos, que está em cartaz agora no Querida Elena.

Para quem está com viagem marcada para este mês para Buenos Aires, a dica é conferir a programação de tango a céu aberto que o governo da cidade montou em frente ao Caminito, em La Boca, agregando um pouco de renovação cultural a uma área que está se fossilizando.

A programação está sensacional e inclui alguns monstros do 2×4. As apresentações são sábados e domingos, às 18h. Incluem aula de tango seguida de show. Dia 28 de novembro, por exemplo, se apresentam o Sexteto Mayor e o bailarino Juan Carlos Copes – dois nomes que são praticamente lendas do tango. O encerramento, dia 5 de dezembro, é com a orquestra El Arranque.

Outra dica é verificar no site doCentro Cultural San Martin por onde anda a Orquestra de Tango da Cidade de Buenos Aires. Normalmente os concertos são de graça. Este mês eles estão no teatro Presidente Alvear, em Corrientes, e no Teatro de La Ribera, em La Boca.

Espero ter ajudado aos buscam curtir em Buenos Aires o tango “de raiz”. Qualquer dúvida, é só deixar uma mensagem lá no blog.

Gisele Teixeira é jornalista. Trabalhou em Porto Alegre, Recife e Brasília. Recentemente, mudou-se de mala, cuia e coração para Buenos Aires, de onde mantém o blog Aquí me quedo, com impressões e descobrimentos sobre a capital portenha

Blog do Noblat – para acessar a matéria clique aqui