BB Instrumental – Trio Oblivion

Por Julita Kissa

BB Instrumental encerra temporada com tango

Uma intervenção. Às vésperas das festividades de fim de ano quem planeja visitar o Iguatemi Shopping pode encontrar mais do que lojas abarrotadas de gente. Desde maio deste ano o Banco do Brasil promove uma agenda cultural.  O Espaço Banco do Brasil chama a atenção de quem transita pelo shopping por oferecer música de qualidade. Ao longo da temporada 2011 foram aproximadamente 58 exibições instrumentais.  Cerca de 60 artistas da cidade apresentaram seus trabalhos.

 A loja conceito do Banco do Brasil é a primeira em Brasília. Fica localizada na praça central do Iguatemi Shopping. Ali já foram apreciados diversos ritmos, como chorinho, jazz, música clássica e até tango. Em junho o Trio Oblivion fez sua estréia no Espaço BB com muito sucesso.

As atividades do BB Instrumental se encerram no próximo fim de semana. O Trio Oblivion é formado por Ted Falcon no violino, Juninho Ferreira no acordeón e Oswaldo Amorim no contrabaixo acústico. Mais uma vez farão duas exibições. O diferencial será um espaço totalmente pensado para dançar. A primeira apresentação será no sábado (17) às 19h e no domingo (18) às 17h. A entrada é gratuita.


Montevideo: Baar Fun Fun

O centenário Baar Fun Fun (pronuncia-se funfum, mesmo) é um dos botecos mais antigos de Montevidéu. Fica num mercado na entrada da Cidade Velha. É daqueles lugares bem turísticos, com diversão garantida. Me atrevo a dizer que ir à cidade uruguai e não visitar este bar é o mesmo que ir ao Rio de Janeiro no carnaval e não ouvir um samba. Uma comparação forçada (risos!), mas que serve como orientação: NÃO DEIXE DE IR! Um ambiente convidativo para ouvir bons tangos ao vivo e apreciar casais de dançarinos!

Porque tanto me agradou? Bem, ele fica localizado em um região bem central, próximo ao Teatro Solis. Como eu e o grupo de amigos de Brasília ficamos em um hotel a dez quadras dali nos aventuramos a ir a pé até lá. Afinal, fazer turístico inclui caminhadas. Não há maneira melhor de conhecer e apreciar um lugar desconhecido.

Foto: Julita Kissa

A faixada do bar engana. Se apenas tivessem me levado na entrada eu diria que jamais teria ali um ambiente tão descolado. Ao entrar a gente se aventura. Um ambiente super apertadinho (leia-se pequeno), cheio de gravuras, quadros, bandeiras de times (passaram os são paulinos e botafoguenses por lá). A iluminação muito me agradou também. Fiquei bastante tempo observando os detalhes. Estes, aliás, construídos ao longo dos anos de atividades. Exatamente como uma decoração deve ser! #minhaopinião

Os dançarinos Federico Garcia e Lorena Gonzalez. Foto: Julita Kissa

Outra coisa que também me agradou foi a sensação de acolhida. Mas pra falar a verdade me senti assim a qualquer lugar que eu visitasse nessa linda cidade, chamada Montevideú. Quanta gente educada e solidária.Não poderia ser diferente no Baar Fun Fun. O garçom (=moço) Marcelo foi muito atencioso comigo. Era só sorrisos. Depois de eu ter dito que tinha um blog sobre tango no Brasil ele ficou ainda mais contente e me mostrou que ali tinha muitas coisas que contavam a história do tango na cidade. Objetos, gravuras, fotos.

Foto: Julita Kissa

Inclusive, nessa busca, descobri que o Carlos Gardel (uruguaio para quem não sabe) fez uma música dedicada ao Baar Fun Fun. Juro, é verdade. Ele era frequentador assíduo do lugar. Deixou uma foto autografada, que está pendurada entre muitos outros quadros. Mas hoje é confudido internacionalmente como porteño, porque foi do outro lado do mar del plata que fez sucesso como cantante de tango. Abaixo, na foto, se você tiver muita atenção encontrará o sorridente Gardel.

A quinta-feira com show de Carlos Pecoy e Lucho Martinez. Foto: Julita Kissa

Agora o não menos importante! As bebidas e comidas! Sim, gente, eu não esqueci de falar sobre isso. Oras, estamos falando de um bar. Não podia faltar os comentários sobre as maravilhas. O Baar Fun Fun é consagrado por uma bebida apelidade de “uvita”. É uma receita antiga, patenteada por eles e somente é encontrada ali. A base é vermute, seja lá o que isso significa. Por esse mesmo motivo me neguei a experimentar porque o garçom (moço) me disse que era uma bebida doce, pra lá de doce. Como de doce eu só gosto em sobremessas passei reto. E quer saber? Me arrependi. O meu amigo jornalista e cineasta, Gustavo Serrate, depois de ler um breve post aqui no blog pediu que eu levasse da viagem a bebida uvita. A super inteligente que vos fala não relacionou o nome a bebida sugerida pelo Marcelo, o garçom. Procurei em todas as vendas da cidade. #faltadecomunicação

Tem também a cerveja Patrícia! Verdade seja dita eu experimentei e não vi nada de diferente porque eu não conheço sobre cervejas e meu paladar não se agrada em degustar essa bebida tão apreciada por muitos. Também pedimos uma tábua de picadas – o que seria o equivalente a uma tábua de frios brasileira, só que mais farta. Tinha queijos de qualidade, salgadinhos, pimentinhas e outras delícias fritas. Resta saber como voltei de viagem quase dois quilos mais magra.Vai ver foi o frio e a comilança sem culpa. #julioensina

A linda mão da minha amiga Inez Ramos. Foto: Julita Kissa

Outra coisa bem interessante de experimentar é a media media. É esse o nome?! Corrijo depois se estiver errado! Um tipo de espumante branco, bem gostoso! Agradou o baladar de muitos. Na foto abaixo, você vê os detalhes da garrafa bem acomodada entre nós. Abstraia os cílios da pessoa em close na esquerda (eu), um exemplo que mesmo entre amigos eu não largo do celular. #víciodemais

Excurssão dos tangueros da cena brasiliense em Montevideú. Foto: Rodrigo Mendes

Nós visitamos o bar numa quinta-feira. De acordo com informações coletadas no site funciona de quarta a sábado, com shows ou atrações especiais. Vale lembrar que não é aceito nenhum tipo de cartão de crédito. No Baar Fun Fun é aceito somente a moeda local, o peso uruguaio. Também sugiro fazer a reserva com antecedência. Pelo site ou por telefone. Não deixe de colocar na lista de lugares para visitar na próxima viagem!!!

Serviço:

Baar Fun Fun – Montevideú.

www.baarfunfun.com

Info@baarfunfun.com

(598)2915-8005

Cuidadela 1229, Mercado Central.

Astor Piazzolla

Jornal da Globo/ Coluna Nelson Motta

Edição do dia 17/06/2011

Astor Piazzolla revolucionou o tango argentino harmonizando ritmos

Piazzolla gravou 64 discos e maravilhou várias gerações de tangueiros e jazzistas com a dramaticidade e sofisticação de sua música.

 Assim como Tom Jobim modernizou e traduziu o samba brasileiro para o mundo, Astor Piazzolla revolucionou o tango argentino harmonizando a tradição portenha com o jazz e a música clássica. Como Pelé e Maradona, o piano de Jobim e o Bandoneon de Piazzolla reinventaram a música lationamericana e a levaram à consagração internacional.

Filho de italianos, Astor Pantaleon Piazzolla nasceu em Mar del Plata, em 1921, mas passou a infância em Nova York. Nostálgico da música portenha, seu pai lhe deu o seu primeiro bandoneon e Piazzolla conheceu o jazz e a música de Bach. Com 13 anos já tocava tão bem, que foi ouvido por Carlos Gardel e convidado para integrar o seu conjunto em uma turnê pela América do Sul.

O pai de Piazzolla não deixou e salvou-lhe a vida – porque foi nessa turnê que caiu o avião que matou Gardel e seu conjunto. Com 16 anos, Piazzolla voltou para Buenos Aires e logo estava integrando a orquestra de Anibal Troilo, o grande mestre do tango nascido em Santos e que foi a sua grande referência musical.

Para ler a coluna completa e assistir o vídeo, clique aqui

 

 

Trio Oblivion no Teatro Garagem

20110902-093523.jpg

Na próxima terça (6) o Trio Oblivion se apresenta às 20h no Teatro Sesc Garagem. A produção do evento traz uma novidade interessante para que você possa aproveitar o show do jeito que mais gosta: dançando. Promoção Quero Dançar Se você quer ter um lugar vip no show do Trio Oblivion, próximo dia 6/9, no Teatro Garagem, mande um e-mail com o assunto QUERO DANÇAR para saravahproduz@gmail.com.

Os 20 primeiros nomes enviados darão direito a uma cadeira próxima aos músicos (em mesa para 4 pessoas) e uma taça de vinho. Essas cadeiras estarão reservadas para quem quer dançar! Por favor, no corpo do e-mail informe seu nome completo e telefone para contato, e se seu ingresso é de meia entrada ou de valor integral.

Lembrando que o preço do ingresso é R$ 20 a inteira e meia por R$ 10. O público em geral, não participante desta promoção, utilizará os assentos comuns do Teatro Garagem.

Gotan Project em Brasília

Por Julita Kissa

Em comemoração ao dia do Cerrado o Celebrar Brasília promove nos dias 10 e 11 de setembro evento no Museu da República, com atrações nacionais e internacionais. Neste ano, a quarta edição mais uma vez vem com o intuito de lembrar à sociedade do compromisso com a preservação do meio ambiente e do cerrado brasileiro.

O evento será gratuito. Como nas edições passadas, serão aceitas doações de mudas de espécies nativas do Cerrado, que serão plantadas em áreas de nascentes do Distrito Federal. Em troca, a organização garante aos doadores acesso ao setor privado, com visão privilegiada das atrações.

O destaque deste ano é o grupo Gotan Project, que se apresenta no dia 11 de setembro. Em 2007, o Gotan Project fez uma exibição gratuita na Concha Acústica. O trabalho caracterizado como “tango eletrônico” encanta a todas as faixas etárias, sejam elas ou não apreciadoras do tradicional tango.

Formado pelo argentino Eduardo Makaroff, o francês Philippe Cohen Solal e o suíço Christop Muller há 10 anos em Paris. A mistura das origens dos integrantes difundiu o eletrônico e o jazz ao tango argentino, espalhou pelo mundo o som inconfundível que rendeu mais de 2 milhões de cópias vendidas nos dois primeiros álbuns, “La Revancha Del Tango” e “Lunático”.

Agora, com o terceiro, “Tango 3.0”, a banda volta a Brasília em setembro para apresentar o novo repertório, que o programador e tecladista Christoph Muller define como “uma volta às origens”.

Eclético, o novo trabalho traz, além do tango e da música eletrônica, referências a gêneros do sul dos EUA, como o rockabilly e o som de Nova Orleans. A primeira faixa, “Tango Square”, inclusive, conta com a participação de um dos grandes ícones da cidade berço do jazz, o cantor, tecladista e band-leader Dr. John.

Serviço:

Museu da República

Gotan Project

Data: 11/09/2011

Entrada: gratuita

Informações: www.celebrarbrasilia.com.br

Balaio Café e o Trio Oblivion

Nesta sexta (19) o Trio Oblivion apresenta clássicos do tango, como: Por Uma Cabeza, El Choclo, Libertango, Oblivion, La Cumparsita, Uno, Romance do Barrio. O trio encanta os que se emocionam ao ouvir  a música, e também os apaixonados pela dança, que seguem a agenda do grupo para apreciar algo raro no DF e que é tradição na Argentina: bailar ao som da música ao vivo.

 Em Los Angeles, Ted Falcon teve o oportunidade de trabalhar com o  Los Angeles Tango Quarteto, um grupo tradicional que tocou tangos, milongas, valsas e baladas de compositores bem conhecidos como Ástor Piazolla, Carlos Gardel, Ángel Villoldo e Mariano Mores. Tradicionalmente,  esse grupo acompanha uma aula de dança popular de tango.

Com essa experiência, Ted formou o grupo Trio Oblivion para trazer o som elegante e o sofisticação do tango argentino para o Brasil.  O projeto foi criado em parte grande por causa de demanda pública pelo tango e pela ausência de referências desse estilo musical em Brasília.  O tango é essencialmente música para dançar e sua popularidade ganhou adeptos na América de Sul, Europa e os Estados Unidos.

Serviço:

Tango com o Trio Oblivion

Onde: Balaio Café – 201 Norte

Quando: Sexta-feira, 19 de agosto

Horário: 21h

Quanto: R$ 15

Informações e reservas: (61) 3327-0732

 PRÓXIMOS SHOWS:

–  6 de setembro no Teatro Garagem (Sesc 913 sul) – detalhes em breve
–  8 de setembro no Vila Madá (Shopping Deck Norte) – detalhes em breve

No Rio…

Celebração Musical a Astor Piazzolla e Carlos Gardel

Crédito: Sérgio Bondioni

Considerado um dos melhores grupos de tango do Brasil, o LiberTango faz apresentação única no Teatro Carlos Gomes a R$ 1,00 na próxima terça-feira, 02/08, às 19h, dentro do Projeto Sete em Ponto. É uma oportunidade imperdível de conhecer de perto o talento do quarteto que há 15 anos divulgam o ritmo portenho em terras brasileiras, com destaque para a obra de Astor Piazzolla.

O show é inspirado no terceiro CD, “Porteño” (Delira, 2010), e apresenta clássicos inesquecíveis de Carlos Gardel como “El Día que me Quieras” (parceria com Alfredo Le Pera e Juan Carlos Calderon), “Por una Cabeza” (com Alfredo Le Pera) e “Mano a Mano” (com José Razzano e Celedonio Flores).

Já o repertório instrumental destaca as quatro estações de Piazzolla, “Primavera Porteña”, “Verano Porteño”, “Otoño Porteño” e “Invierno Porteño”. Outro sucesso revisitado do compositor argentino é “Adiós Nonino”. A qualidade e a criatividade dos arranjos – assinados pelos irmãos Marcelo Caldi (acordeão) e Alexandre Caldi (saxofone e flautas), integrantes do grupo – demostram a vitalidade do espírito tangueiro na cultura brasileira.

Os irmãos instrumentistas são filhos de uma outra integrante do LiberTango, a pianista argentina Estela Caldi, radicada no Brasil. Do quarteto faz parte ainda o cantor Marcelo Rodolfo. O show terá participação do contrabaixista Rodrigo Villa. Além de “Porteño”, foram lançados “Cierra tus Ojos y Escucha” (Delira, 2008) e “A Música de Astor Piazzolla” (Delira, 2005).

É a chance do público reviver um ritmo recheado de magia, paixão, nostalgia, força e exuberância. Dentre as principais apresentações do grupo, destacam-se: quatro temporadas na Sala Baden Powell (Copacabana), Festival do Vale do Café (Vassouras), Festival de Inverno de Petrópolis, Festival de Inverno do SESC (Itaipava), Goyaz Festival (Goiânia), Mistura Fina (Rio de Janeiro), SESCs de Copacabana (Rio Cello Encounter), do Flamengo e de Araraquara (SP), Festival de Música de Câmara de Curitiba, Ciclo Música de Câmara da Sociedade Musical Bachiana Brasileira (Cuiabá), Circuito SESI Rio de Janeiro e Lapinha (Rio de Janeiro).

Serviço:

Show do Grupo LiberTango

02/08, às 19h
Teatro Carlos Gomes
Praça Tiradentes, s/n, Centro
Rio de Janeiro – RJ
Ingressos a R$ 1,00
Informações: (21) 2232-8701

No Rio: diálogo musical entre Brasil e Argentina

Uma série de concertos mensais, que terá início nesta terça-feira (26), vai promover até novembro, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, o diálogo musical entre o Brasil e a Argentina. Reunindo em cada uma das apresentações instrumentistas e cantores dos dois países, a sérieMPAeB pretende mostrar que há similaridades nessas duas fortes linguagens musicais da América do Sul.

A iniciativa partiu do músico carioca Mário Sève e da cantora e letrista portenha Cecilia Stanzione. Conectados pela internet, os dois desenvolveram a partir de junho de 2008 uma fértil parceria, que resultou em 13 canções que formam o repertório do concerto de abertura da série. Em Cancion Necessaria – Brasil y Argentina, Cecilia (voz) e Mario (sax, flauta e arranjos) estarão acompanhados de uma banda formada por músicos dos dois países. O encontro também marca o lançamento do CD que registra 11 das canções produzidas pela dupla.

“O tango, o choro, a modinha e as valsas respiram de uma maneira muito parecida na música brasileira e na argentina”, diz Sève, também curador da série. “A partir do trabalho conjunto que iniciamos, comecei a conhecer um universo ligado à música folclórica argentina e Cecilia um pouco mais das raízes do samba brasileiro.”

Segundo Sève, os concertos não vão enfocar somente o tango, que é essencialmente a música de Buenos Aires. “Em outras partes do país, você tem uma variedade musical muito interessante, que mistura a influência europeia com uma cultura nativa e que resultou em gêneros como a chacarera, o zamba e o chamamé.”

O segundo concerto da série, Tango Y Tango Brasileiro, no dia 23 de agosto, vai reunir o tango e o choro, que no início do século 20 era chamado de “tango brasileiro”. “Era essa a denominação que traziam as partituras das músicas de Ernesto Nazareth, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos, mas o tango brasileiro nada mais é do que um choro”, diz Sève.

Nesse concerto, vão se apresentar duas lendas do tango argentino, o bandeonista Walter Ríos e o contrabaixista Oscar Giunta, juntamente com o pianista brasileiro Cristóvão Bastos, tocando um repertório que vai misturar Nazareth com Carlos Gardel.

Os concertos seguintes serão Folclore com K, no dia 27 de setembro, com o pianista argentino Carlos Aguirre e o brasileiro Benjamin Taubkin Trio, de São Paulo, e MPA y MPB, reunindo o grupo Aca Seca, do país vizinho e o cantor e violonista mineiro Sergio Santos, no dia 25 de outubro. Encerrando a série, La Zamba y o Samba, no dia 22 de novembro, terá o grupo carioca Nó em Pingo D’Água se apresentando com os argentinos Hernán Ríos e Norbi Córdoba.

Cada concerto terá duas apresentações, às 12h30 e às 19h, com ingressos a R$ 6 (inteira) e R$ 3 (para estudantes e maiores de 60 anos). Segundo Sève, a ideia é levar depois a série para outras cidades brasileiras e também para Buenos Aires.

Crédito: odiario.com

O Tango no Espaço Banco do Brasil

Foto: Divulgação

O Instrumental BB apresenta neste sábado e domingo, dias 23 e 24 de julho um show de tango com o Trio Oblivion

O projeto Instrumental BB vem trazendo desde maio, duos, trios e quartetos de música instrumental à sua loja conceito Espaço Banco do Brasil (Lago Norte – Shopping Iguatemi). Abrangendo variados estilos, o projeto procura dar um incentivo a mais à cultura e à produção musical na capital.

Com uma programação diversificada, do jazz à música clássica, os shows têm sido um sucesso e agora, neste próximo final de semana é a vez do tango com o Trio Oblivion, formado por Ted Falcon no violino, Juninho Ferreira no acordeom e Eduardo Belo no contrabaixo acústico.

Enquanto morava em Los Angeles, Ted Falcon teve a oportunidade de trabalhar com o Los Angeles Tango Quarteto, um grupo tradicional que tocava tangos, milongas, valsas e baladas de compositores bem conhecidos como Ástor Piazolla, Carlos Gardel, Ángel Villoldo e Mariano Mores. Lá, os músicos, como manda a tradição, acompanhavam aulas de dança de tango.

Com essa experiência, o novaiorquino Ted Falcon, radicado em Brasília, formou o grupo Trio Oblivion para trazer o som elegante e a sofisticação do tango argentino para a cidade. O projeto foi criado em grande parte por causa de demanda pública pelo tango, e a falta desse estilo musical em Brasília. O tango é essencialmente música para dançar, e a popularidade dele é vista no mundo inteiro, da América do Sul à Europa e aos Estados Unidos.

Neste show o Trio Oblivion irá tocar clássicos do tango como: “Por Una Cabeza”, “El Choclo”, “Libertango”, “Oblivion”, “La Campasita”, “Uno”, “Romance do Barrio”, entre outras.

Serviço

Espaço Banco do Brasil (Lago Norte – Shopping Iguatemi)

**Ted Falcon (violino), Juninho Ferreira (acordeon) e Eduardo Belo (contrabaixo) Dias 23 e 24 de julho, sábado às 19h e domingo às 17h

Imperdível…

Trio HARMONITANGO – Piazolla em toda a sua essência
Dias 16 e 17 de julho, sábado às 20h e domingo às 19h

O trio carioca se apresenta em Brasília. José Staneck (gaita), Ricardo Santoro (violoncelo) e Sheila Zagury (piano) compõem o Harmonitango. O grupo traz diferentes sonoridades num concerto cheio de novas expressões. Trabalham na fusão musical unindo a forma lírica à suavidade do piano e a riqueza harmônica do violoncelo. Toda essa musicalidade são interpretações que o trio faz do argentino, compositor de tango, Astor Piazzolla. No teatro da Caixa para duas exibições. No dia 16, sábado às 20h e no domingo, às 19h. É permitida a venda de apenas dois ingressos por pessoa. Interessados podem comparecer a partir do meio dia de amanhã (9) a bilheteria do Teatro da Caixa. Ingresso R$10 a inteira e R$5 a meia.
*Não recomendado para menores de 14 anos.