Para conhecer…

Ozgur Demir

Cidadão turco e residente em Buenos Aires desde 2007. Começou sua vida professional  tango na Turquia. Para ele, o tango é a única maneira de ter uma comunicação plena com outra pessoa, tornando-se um dos dois, não só com o corpo, passos ou música, mas também com as almas! Ele aprendeu os primeiros passos de tango na linda cidade de Eskisehir, onde estudou, em seguida, ele pegou dois workshops com o famoso bailarino e professor turco Metin Yazir. Depois que ele chegou em Buenos Aires, estudou com professores conhecidos como Fabian Salas, Julio Balmaceda, Gustavo Naveira e Frumboli Chicho. Mas foi a prática que aprimorou a sua dança. Atualmente trabalha com Marina Marques, mas também trabalhou com Cecilia Berra por um ano. Atuou em muitas milongas de Buenos Aires como a Practica X, Tangolab, Tangocool, Milonga Louca, Maldita, El Beso e etc.

Em Buenos Aires, deu aulas regulares no no Tango Brujo. Seu trabalho é reconhecido na Europa, com diversos workshop’s em Paris, Amsterdã, Berlim, Basileia, Reykjavik, Stocholm, Moscovo, Bruxelas, Madrid.  O segredo do seu trabalho está em  buscar melhorar e aprender.

Marina Marques

Nasceu em São Paulo, Brasil. Iniciou sua carreira artística aos 11 anos de idade, realizou diversos cursos  incluso teatro. Cinco anos mais tarde se interessou em danças latinas.  Dedicou atenção à dança, realizou diversos cursos e aulas com os mais renomados professores. Até que por fim ganhou o título de professora de forró, samba e zouk. Sua necessidade de prosperidade para aprender coisas novas lhe deu o impulso para estudar dança moderna com a “Cia Raça de São Paulo”.Depois ela se especializou em tango, estudando com Jaime Arôxa, Bolaño Ronaldo e Giovanni Giggio do Brasil. Em seguida, ela se mudou para Buenos Aires e trabalhou a dança com professores muito bem conhecidos e de diferentes estilos do tango para melhorar suas habilidades. Atualmente, ela dá aulas e faz performances com o parceiro por toda a Europa, Argentina e Brasil.

Ozgur Demir e Marina Marques. Foto: Divulgação

 

**Recentemente ministraram workshop na academia de dança Improviso, em Botafogo (RJ). A academia é ministrada por Alice Vasques e André Sampaio. De passagem pelo Rio é lugar obrigatório para visitar.

Informações: Ozgur Demir, site oficial.

Mistura de tango com pilates conquista argentinos

Jornal Hoje/Portal G1

25/03/09 – 16h28 – Atualizado em 25/03/09 – 16h28

Por Carlos de Lannoy – Buenos Aires

O Tangolates mistura duas grandes paixões dos portenhos: tango e aula de pilates, muito popular nas academias de ginástica de Buenos Aires.

O pilates virou uma febre. Por toda parte, academias oferecem os exercícios de alongamento e fortalecimento dos músculos, feitos em aparelhos desenvolvidos especialmente para não comprometer as articulações.

A técnica, que pretende harmonizar corpo e mente, foi inventada pelo alemão Joseph Pilates, no inicio do século vinte. Mais ou menos na mesma época em que o tango dava os primeiros passos nos subúrbios de Buenos Aires

Quase um século depois, uma empresária argentina decidiu juntar as duas coisas. “O tangolates agrega movimentos cardiovasculares, aeróbicos”, diz Tamara di Tella, dona de uma rede de academias em Buenos Aires.

Tamara patenteou a marca. Hoje tem franquias na Europa, Ásia e nos Estados Unidos. A base do tangolates é um aparelho, que permite dezenas de movimentos lentos e respirados e também longos e elegantes passos de tango.

O tangolates começou em um hospital público de Buenos Aires. Foi fazendo exercícios, aproveitando o ritmo forte e marcado do tango, que muitos pacientes passaram a ter uma vida melhor.

Aqui são tratados pacientes com sérios distúrbios neurológicos, muitos vítimas de Alzeimer, ou do Mal de Parkinson, a maioria com mais de 60 anos.

A música ajuda a recuperar as duas coisas que lhes falta: a coordenação e o ritmo.

Médicos dizem que muitos pacientes não perderam a capacidade de fazer os movimentos. Só não lembram de como fazê-los. Mas o ritmo forte da música lhe devolve a lembrança.

“Graças ao tango, mexemos as pernas muito bem” diz Pepita, que quase não andava. “Tangopilates nos faz um bem enorme, quando deixamos retrocedemos e por isso não queremos parar”.

“Eu antes pintava e não podia mexer as mãos para pintar”, lembra Noemi. “Agora faço uns quadros maravilhosos”, afirma.

Em uma das sessões não tem dança, os exercícios são com bolas, aparelhos e música. Mas, no fim, Alina tira Tamara pra dançar.

Crédito: Jornal Hoje

Bailarinos são geneticamente diferentes do resto de nós

O que faz os bailarinos diferentes do resto de nós? variações genéticas, diz um pesquisador da Universidade Hebraica de Jerusalém.

Em um estudo publicado na PLoS Genetics, Richard P. Ebstein Professor do Departamento de Psicologia e de seus associados de pesquisa têm mostrado, através do exame de DNA, que os bailarinos apresentam diferenças consistentes em dois genes chaves na população geral. Ebstein é o chefe do Centro de Genética Humana Scheinfeld em Ciências Sociais do Departamento de Psicologia.


Duo Cia de Dança (Brasília) espetáculo La Belle. Bailarinos: Pedro Dalvi e Vivian Salles

Esta conclusão não é surpreendente, diz Ebstein, tendo em vista outros estudos de músicos e atletas, que também têm mostrado diferenças genéticas.

Ebstein e seus colegas encontraram em um exame de 85 bailarinos e alunos avançados de dança em Israel variantes de dois genes que conferem o código para o transportade de serotonina e 1 receptor da arginina vasopressina.

Ambos os genes estão envolvidos na transmissão de informações entre células nervosas. O transportador da serotonina regula o nível de serotonina, um transmissor cerebral que contribui para a experiência espiritual, entre muitos outros traços comportamentais. O receptor da vasopressina foi demonstrada em estudos realizados em diversos anim

ais para modular a comunicação social e comportamentos de vínculo de filiação. Ambos são elementos envolvidos na humana velhice na expressão social da dança.

A evidência genética foi confirmada por dois questionários distribuídos pelos pesquisadores para os dançarinos. Um deles é o Tellegen Absorção Scale (TAS), que correlaciona os aspectos da espiritualidade e estados alterados de consciência, e o outro é o Tridimensional Personality Questionnaire (TPQ), uma medida da necessidade de contato social e abertura à comunicação.

Os resultados genéticos e questionário dos bailarinos foram comparados com os dos outros dois grupos analisados – atletas, bem como aqueles que eram ambas não-bailarinos e não-atletas. (Os atletas foram escolhidos por comparação, uma vez que exigem uma boa dose de resistência física, como bailarinos).

Distribution of Tellegen Absorption Scale (TAS) in Female Dancers and Nondancers/Nonathletes.

Quando os resultados foram combinadas e analisadas, foi evidenciado que os dançarinos apresentaram determinadas características genéticas e de personalidade que não foram encontrados nos outros dois grupos.

O “tipo” bailarino , diz Ebstein, demonstra claramente as qualidades que não são necessariamente falta, mas não são tão fortemente expressos em outras pessoas: um elevado senso de comunicação, muitas vezes de natureza simbólica e cerimonial, e um traço forte de personalidade espiritual.

Outros envolvidos na pesquisa com Ebstein foram o seu estudante em doutoramento Rachel Bachner, Melman, bem como investigadores adicionais de Israel e da França.

Crédito: science20.com/Join the revolution

Clique aqui para ler a versão na íntegra da publicação em inglês

——————————————————————————————

A QUEM INTERESSAR…


Espetáculo Duo Cia de Dança

Teatro da Caixa

Dia: 08/10/2010

Horário: 20h

Ingressos à venda na bilheteria do Teatro da Caixa- SBS Qd. 4 Lote 3/4

R$20 a inteira e R$10 a meia.

Informações: (61)3414-9448

Amanhã prática de tango no Núcleo de Dança do Cresça

Amanhã no Núcleo de Dança do Cresça aula baile gratuita. Leve uma bebida ou comida para confraternizar com os demais. Uma forma divertida de praticar tango e conhecer novas pessoas. Caso tenha um amigo que não conheça o ritmo ou as regras de baile é uma ótima oportunidade.

O organizador da aula baile, Oscar Ricarte, diz que o objetivo é familiarizar os frequentadores das milongas com os códigos de salão. Aspectos comuns nas milongas tradicionais de Buenos Aires -como dançar em um espaço menor respeitando os outros que estão na pista, convidar a dama com o cabeceo e tantos outros.

Para relembrar os códigos de milonga clique aqui

Espetáculo de tango em Brasília

Vem aí…

Fiquem ligados nos próximos dias trago mais informações.

Serviço:

Dança: No Ritmo da Vida-“Uma história de luta, sofrimento e amor”

Apresentação: 21 e 22 de setembro.

Local: Teatro dos Bancários (SQS 112 – Brasília).

Direção geral: Daniela Pascual.

Coreografia: Oscar Ricarte.

Abaixo o video de chamada para compor o corpo de baile do projeto Illuminare durante a primeira semana de aula (em maio). Assistam!