Uruguai para os pães-duros

Visitar o país – a nova vedete do turismo na América do Sul – não exige muito dinheiro no bolso: só a vontade de rodar por aí e o coração aberto aos seus encantos

 Alfredo Durães /Correioweb

Publicação: 02/11/2011 02:00

A Casa Pueblo, espaço cultural diante do mar de Punta del Este

O velho vizinho do Sul é uma opção legal para quem quer novos horizontes sem necessariamente ter que enfiar a mão no fundo do bolso. Na mais pura concepção do jeito mochileiro de ser, o Turismo embarcou numa viagem de 10 dias que começa no voo direto para a capital uruguaia, com tarifa bem em conta. De resto, é seguir a cartilha dos sem muito dinheiro e curtir passeios a pé, de ônibus e, vá lá, um táxi de vez em quando, para conhecer os lugares — alguns bem inusitados, como o Palácio Salvo, construção em estilo eclético, edificado em Montevidéu na década de 1920. E, claro, se hospedar nos chamados hostels, os hotéis econômicos (mas com banheiro no quarto, o supremo luxo da categoria). Dá para gastar pouco, sem deixar de se divertir. Enfim, uma questão econômica.

Não vai doer no bolso

 Com tarifas econômicas, os voos diretos de Brasília a Montevidéu permitem ao turista chegar lá em duas horas e 30 minutos, e conhecer em seguida os atrativos do centro histórico da cidade. Entre eles, o Mercado do Porto

As parrillas estão em todos os cantos do Mercado do Porto: para acompanhar as deliciosas carnes uruguaias, vá de cerveja ou medio y medio

A grana pode estar curta, mas dá para, com alguma imaginação, inovar e tirar uns dias de férias no exterior. Já pensou no Uruguai, o mais recente campeão da Copa América de Futebol e quarto colocado na Copa de 2010? O país pode ser bem econômico, a começar pela passagem aérea, que tem preços a partir de R$ 491 (preço sujeito a alterações), ida e volta, em voo direto de Brasília para Montevidéu. Ele é diário, num percurso que dura duas horas e 30 minutos. Uma dica é procurar pelos voos da Pluna e comprar em sites de passagens, que dividem o valor em até 10 vezes sem aumento (na página da companhia, dá para fazer apenas três parcelas).

Ou seja, a questão do deslocamento fica resolvida por R$ 49 por mês. Os aviões são novos, e o serviço de bordo da empresa, espartano — mas, também, vai querer o quê com uma tarifa dessas? Outro detalhe: você não precisa gastar nada com passaporte, já que o documento exigido no serviço de imigração do Uruguai é somente a carteira de identidade, emitida há no máximo 10 anos.

Outra dica: não é necessário pegar os táxis oferecidos no excelente Aeroporto Internacional de Carrasco para chegar a Montevidéu, que fica às margens da Bacia do Prata. Um ônibus da empresa Cutcsa faz o trajeto até o Centro Histórico por 31 pesos, algo como R$ 3. Valor bem menor do que os US$ 45 cobrados pelos Mercedes-Benz que batem ponto no terminal de passageiros. Se não encontrar o ponto do ônibus, não se intimide. Pode perguntar ao uruguaio, que é muito solícito, ainda mais com brasileiros.

Hotel
Que tal um hotel pelo equivalente a R$ 70 (a diária) por pessoa, próximo do Centro Histórico da capital, perto de muitas atrações? Ou uma refeição caprichada por cerca de R$ 30 para duas pessoas? Uma cerveja por menos de R$ 5? Pois é, amigo, o Uruguai fica bem ali, logo depois do Rio Grande do Sul. E por falar em gaúchos, um dos maiores hábitos do cidadão uruguaio (mulher, criança, homens, todos) é tomar chimarrão, “sendo a cuia quase uma extensão dos braços da população”, conforme estava escrito num folheto turístico.

O hotel, anote aí, pode ser o Palacio (hotelpalacio.com.uy), a um quarteirão da Praça Independência, na Rua Bartolomé Mitre, 1364. É muito bem situado, próximo ao centro histórico (dá para ir a pé, coisa de oito quarteirões) e a poucos metros do Teatro Solís, uma das boas atrações da cidade. Este, construído na metade do século 19, em estilo eclético, é uma belíssima casa de espetáculos que também recebe visitantes em vários horários, inclusive nos fins de semana, para um tour guiado (em espanhol, português e inglês) com entrada a 40 pesos, pouco menos de R$ 4.

E voltando ao item onde ficar, o Hotel Palacio fica num prédio que deve logo comemorar seu centenário. Basta dizer que o elevador é daqueles com porta pantográfica, sempre reluzente, com detalhes em cor dourada. Um certo ar de antiguidade domina o lugar, mas os quartos são amplos, têm banheiros individuais e um bom serviço de camareira. O preço por pessoa é, claro, sem café da manhã. O Palacio não é o único na região com tarifas baixas. Basta entrar no site http://www.hostelbookers.com, que conta com hotéis de várias partes do mundo a preços módicos.

Morcilla
Há muitos outros pontos turísticos em Montevidéu, mas um deles é emblemático. Trata-se do Mercado do Porto, construído com estruturas metálicas entre 1865 e 1868, na Rambla 25 de Agosto. Ele é praticamente tomado por bares, botecos e restaurantes, tendo como carro-chefe a parrillada (carnes de vários tipos feitas em grandes churrasqueiras).

Com pouco menos de R$ 50, dá para duas pessoas comerem e beberem bem. Não podem faltar as cervejas Patricia ou Norteña, duas estrelas locais. Ou, ainda, o medio y medio (mistura de vinhos espumantes seco e doce), algo só encontrado no Uruguai. Finalmente, não deixe de provar a morcilla (chouriço), servida nas versões salgada e doce. Atenção: essa última não vem com açúcar, mas sim sem sal.

Na capital, domingo é dia de feira de antiguidades nos arredores da Rua Tristán Narvaja, próxima à grande Avenida 18 de Julho. E não deixe de ver, aos sábados à tarde, o encontro de pessoas que se reúnem para dançar tango nas praças Fabini e Cagancha. Aliás, como em outras cidades da América do Sul, praças grandes e bem cuidadas reinam em Montevidéu.

Punta del Este light

 Aproveite para conhecer a cidade e seus arredores antes do verão, sempre badalado e de altos preços. Visitas à Casa Pueblo e à fábrica de doces de leite Lapataia têm de estar na programação.

Enquanto no verão o bicho pega, com milhares de visitantes, no inverno e na primavera Punta del Este é totalmente diferente: os turistas são poucos e quase não interferem na paisagem da cidade balneário. E mesmo esse número reduzido vem muito mais pelo prazer de apostar em seus cassinos do que propriamente para curtir suas belezas. O friozinho passa longe dos ambientes aquecidos e cheios de roletas, cartas e máquinas caça-níqueis.

As praias em torno de Punta del Este, como José Ignacio, só ficam cheias na alta temporada

Melhor do que apostar, no entanto, é usar o pouco dinheiro para ganhar autonomia no balneário. A dica é alugar um carro em Montevidéu (os preços são baixos, se comparados aos do Brasil), seguir até Punta e, em quatro rodas, explorar todos os cantos, como a praia oceânica de El Grillo.

Na baixa temporada, a paisagem urbana é bem diferente em Punta del Este, que tem população fixa em torno dos 30 mil habitantes. Uma boa dica é desfrutar da paisagem da Tambo Lapataia, uma fazenda a 12 quilômetros da cidade, numa área rural repleta de boas paisagens. Tambo é o nome que se dá às propriedades produtoras de leite e seus derivados. Com o doce de leite como um de seus principais produtos, a Lapataia é aberta ao público e tem espaço para caminhadas, lago e restaurante típico, onde não falta a tradicional parrilla.

Não deixe de comprar o doce, autêntica iguaria, que custa cerca de R$ 10 para uma embalagem de 500 gramas. Mas nem tente trazer o produto para o Brasil: é grande a chance de ele ser apreendido nos aeroportos brasileiros, porque a fiscalização sanitária do Ministério da Agricultura proíbe a entrada. Perto, a pouco mais 15 minutos de carro, você chega ao grande Lago Sauce, com suas praias de água doce, muitas casas de veraneio e uma paisagem bem bonita.

As formas únicas da Casa Pueblo, construída pelo artista Carlos Paez Vilaró: local mistura museu e hotel, e tem a melhor vista do mar em Punta
As formas únicas da Casa Pueblo, construída pelo artista Carlos Paez Vilaró: local mistura museu e hotel, e tem a melhor vista do mar em Punta

Quem vai na cidade tem obrigação de, pelo menos um dia, ir à vizinha Punta Ballena, bem próxima, e conhecer a Casa Pueblo. No lugar, sempre às 18h em ponto, ouve-se a voz gravada do artista Carlos Paez Vilaró (leia o Para saber mais) recitar, por alto-falante, um de seus poemas. O ambiente é tomado por ares mágicos, impulsionados pela arquitetura singular da Casa Pueblo, construída pelo artista, num penhasco à beira do Atlântico. Nesse instante, da sacada da construção, o turista afortunado mira o mar e, viaja, viaja, viaja. (AD)

Crédito: Alfredo Durães, jornal Correio Braziliense.

Anúncios

Protetor para o metatarso

Não se preocupem. O blog ainda não possui patrocinadores, mas acho justo compartilhar com vocês aquilo que achei interesse e útil. Outro dia conversando com uma amiga do tango verifiquei que não sou a única a ter os pés calejados. Nunca fiz ballet clássico apesar de ser um sonho cativo, mas os meus pés são tão feios ( leia-se judiados) quantos de uma bailarina. Aí veio a pergunta: será que existe algo para protegê-los além do improvisado curativo?? A resposta é simples e cheia de esperança por aspectos melhores. Sim, existe! Olha que interessante esse protetor para o metatarso. Eu tenho calos nessa região. Infelizmente ainda não aprendi a distribuir o peso do corpo de forma uniforme e acabo sobrecarregando essa àrea. Isso serve também para aquele sapato de tango lindo, mas que não ficou muito confortável. Além deste existe no mercado palmilhas, protetores de silicone para os dedos, calcanhares e muito mais. Vou procurar na Capezzio e depois de experimentar comento com vocês. E aí, gostaram da dica??? 20110902-012037.jpg

O Maradona de ‘Viver a vida’ dá dicas para quem vai a Buenos Aires

Coluna EXTRA ONLINE
Enviado por Carolina Marques 21.11.2010| 09h18

Sonha beber um bom vinho, assistindo a shows de tango, sentindo a atmosfera da capital mais europeia da América do Sul? A realidade pode estar ao alcance. Com o real valendo duas vezes o peso argentino, a boa é voar para Buenos Aires. A seguir, confira dez locais imperdíveis na cidade indicados por Mario Jose Paz, o eterno Maradona de ‘Viver a vida’


El Ateneo

“É um ícone de Buenos Aires. Era um teatro, o Grand Splendid, depois passou a ser um cinema e, então, livraria. No lugar das poltronas, há estantes com milhares de livros, CDs e DVDs. E o palco — onde o cantor de tango Carlos Gardel se apresentava — virou um café”. (Avenida Santa Fé 1860, Recoleta.

Café Tortoni

”Fica no chamado microcentro de Buenos Aires, em plena Avenida de Mayo. É um lugar histórico, tradicional, e está funcionando há 150 anos. É como a Confeitaria Colombo, no Rio. Não deixe de provar os churros, os sanduíchescom presunto de parma e o chocolate quente. Se der sorte, assista aos excelentes shows de tango no local“. (Avenida De Mayo 825)

Malba (Museu de artes latinoamericano de Buenos Aires)

”É um lugar belíssimo, sempre com exposições interessantes. Tem arquitetura moderna e integrada, que possibilita a integração de várias galerias de arte“. (Avenida Figueroa Alcorta 3415 C1425CLA: quintas-feiras, sextas e feriados das 12h às 20h. Quartas, até as 21h. Fecha às terças)

El Sanjuanino

”É um lugar simples e aconchegante, com as melhores empanadas de toda a Argentina. Eles funcionam há 40 anos, já existem filiais em Buenos Aires. Destaque para as empanadas de carne e carne picante, a $3“ (Sánchez de Bustamante 1788, Palermo).

Recoleta

“É um bairro nobre da capital argentina, com muitos atrativos. Bom para bater perna. Seja para procurar artigos de grife — Louis Vutton está lá — quanto conhecer o trabalho de designers modernos, na Galeria Buenos Aires. Aos sábados, tem feira de artesanato e muitas atrações gratuitas”.

Museu Evita


“O Museu Evita está instalado num antigo casarão e exibe fotos, documentos, $, vestidos, joias, revistas e brinquedos que testemunharam a vida e a obra de Eva Perón” (Av. Lafinur 2988, Recoleta: de terça a domingo, e feriados, das 14h às 19h30m. A entrada custa $5).

Galeria Pacífico


“É um edifício centenário, restaurado, onde antes funcionava uma galeria de arte. Quanto às lojas, são de excelente nível, incluindo nomes como Cacharel e Yves Saint Laurent. Destaque também para as várias casas especializadas em artigos de couro”. (Calle Florida e Av. Córdoba, Centro).

Microcentro

”Não deixe de andar por Buenos Aires. Entre pela Av. Corrientes. Vá do Obelisco, um dos monumentos mais típicos da cidade, e siga até o número 1700. Há uma infinidade de livrarias e cafés literários. Os preços são variados, mas há lojas especializadas em vender livros baratos, que podem sair por apenas $2“.

Teatro Colón

”Mesmo que você não possa assistir a um espetáculo, não deixe de realizar uma visita guiada e conhecê-lo por dentro“ (Cerrito 628).

Restaurante El Globo

”É um lugar bem tradicional, mas sem luxo. Coma o guisado com carne de porco, carne bovina, bacon e frango“. (Hipólito Yrigoyen 1199)

Crédito: ExtraOnline

Dicas para turistas em Buenos Aires e boa viagem


Fique atento às dicas para desfrutar a cidade sem contratempos

A razão desta postagem é muito simples. Informação nunca é demais. Quando se trata de viagem acho que a palavra de ordem é desfrutar e para isso, esteja atento às informações relevantes antes de correr para o aeroporto com a sua bagagem. Preparados? Leia o texto abaixo.

Leve sempre consigo uma identificação ou documento com foto diferente do passaporte (pode ser a carteira de motorista ou o seu documento de identidade) o qual lhe será exigido quando você pagar com cartão de crédito. Lembre-se, carteira de motorista não serve como documento oficial para entrar em Buenos Aires. Esteja com a carteira de identidade em mãos.

Evite levar o seu passaporte ou outros documentos importantes quando você  for passear pela cidade. Deixe-os preferivelmente em seu hotel (ou apartamento)  para evitar que por alguma razão os seus documentos se percam. Se preferir, faça uma cópia do mesmo para levar com você, mas é importante que o original esteja em um lugar seguro.

Fazendo troco de dinheiro Seu passaporte só será requerido para comprar pesos em qualquer banco ou casa de câmbio. Sem ele você não vai fazer qualquer operação cambial. Para nós brasileiros, devido ao MERCOSUL não é obrigatório o uso do passaporte. Mas ninguém deixa o Brasil sem a carteira de identidade – reconhecida como documento oficial com foto. Ele será requisitado na casa de câmbio.

Si quiser viajar de ônibus na cidade As passagens de ônibus são pagas em máquinas de moedas o que torna ainda mais difícil encontrar dinheiro miúdo.

Tome o cuidado com as notas falsas! Aquelas de maior valor são as mais susceptíveis de não serem originais.

Quando você parar um táxi na rua certifique-se de esteja escrito a palavra Rádio Táxi, isso significa que o carro é segurado com uma cabina central e, portanto, deve ser mais confiável e seguro.

Dias de chuvas fortes é possível que nos dias de chuvas fortes algumas linhas do metrô fiquem bloqueadas, criando um enorme caos no tráfego da cidade, especialmente nas horas de pico que normalmente são de 9h até às 11h e na tarde, das 18h até às 20h.

Pagar com bilhetes de $ 100Ar o pagamento de um serviço de táxi na cidade ou em um quiosque com notas de $ 100Ar não é muito bem recebido pelos vendedores. Se precisar pagar quantidades menores do que $ 20AR, tente conseguir notas de menor valor ou pergunte antes para evitar confusões.

Tenha cuidado ao atravessar uma rua em Buenos Aires os sinais de “Pare” não são muito respeitados nas ruas da cidade e os condutores estão mais dispostos a “esquivar” dos pedestres do que parar e deixá-los passar.

Sesta durante o dia Ainda é tradição em alguns bairros de Buenos Aires as pequenas lojas e quiosques a cultura da sesta – pausa para descanso- durante o dia. Alguns fecham entre as 16h e às 18h . Certifique-se de comprar o almoço antes de esses horários.

Restaurantes cobram serviço de mesa os restaurantes normalmente cobram uma sobretaxa chamada serviço de mesa que pode variar entre $ 2 e $10 pesos, dependendo do tipo de restaurante.

Comprar bebida alcóolica depois 22 horas alguns quiosques não vendem bebidas alcoólicas após esse horário.

Pagamento com cartão de crédito o pagamento com cartão de crédito não é muito comum nas lojas pequenas. A maioria dos comércios cobram uma sobretaxa de 12% por pagamentos com cartão de crédito ou aceitam somente débito. É também muito comum que os restaurantes aceitem dinheiro. Normalmente, só as cadeias de restaurantes e supermercados aceitam todos os cartões sem cargos adicionais e sem exceções.

Fins de semana no Buenos Aires os finais de semana são os melhores dias para passear em Buenos Aires. Seus parques, praças e avenidas centrais estão rodeadas por artesãos dos mercados, concertos e atividades para o público em geral que fazem desta cidade uma mavilhosa experiência para os turistas.

Tome cuidado ao pagar táxis com notas de 100 pesos. Há casos em que o motorista agilmente troca a sua nota original por uma falsa argumentando que a nota falsa é a sua. Ao final, ele ficará com $100Ar e o dinheiro que você pagará extra pela corrida.

Evite pegar taxis fora dos aeroportos de Buenos Aires, Ezeiza ou Aeroparque, há casos de roubo por falsos motoristas de táxi. Se você não reservou um serviço de traslado antes de sua viagem, então peça um serviço autorizado no estande oficial de táxi nos portões de desembarque.

Não deixe expostos os seus pertences pessoais valiosos no quarto do hotel. Evite tentações para o pessoal de serviços do hotel.

Deixe sempre sacolas e câmeras no seu colo quando se sentar do lado de fora dos cafés ou restaurantes, nunca as deixe no chão ou sobre a mesa. Os ladrões são mais rápidos do que a sua capacidade de reação. Tenha em conta que em países com grandes diferenças sociais, como a Argentina, há sempre pessoas com mãos ligeiras procurando viajantes desavisados; e se, por alguma razão, a sorte não estiver do seu lado e você se encontrar em uma situação de roubo, lhes dê o que pedem e os deixe ir. A sua segurança pessoal vale mais do que qualquer coisa.

Quando você estiver reservando um hotel ou comprando um pacote, note que a maioria dos tours e atividades não incluem translado em hotéis fora do circuito que engloba o centro, a Recoleta e que muitos deles, também não buscam passageiros em apartamentos. Olhe no mapa e não confie no “localizado a 10 minutos do centro em metrô”, pois os serviços do metrô podem apresentar deficiências que dificultam a sua mobilidade.

O transporte público é seguro e confiável e está disponível a noite toda. As estações de metrô fecham às 22h e não há taxa extra para transporte nos finais de semana ou feriados.

Buenos Aires é uma cidade na qual se pode caminhar. Traga sapatos e roupas confortáveis e se prepare para passar longas jornadas à pé.

Informações: BSAS4U clique aqui para acessar o conteúdo na íntegra.