O segredo do tango é se divertir

Giulianna Davoli e Rafael Martins. Foto: Divulgação.

Tudo começou em bate-papo no Facebook. Conversando sobre o tango pedi a Giulianna que respondesse algumas perguntas . Sempre muito atenciosa e gentil acatou de pronto a ideia para compartilhar com vocês. Conheça um pouco do trabalho do casal Giuliana Davoli, 20 anos, e Rafael Martins, 24 anos. O resultado dessa conversa você confere agora.

PERFIL

Com mais de 3 anos de parceria, Rafael Martins e Giulianna Davoli já participaram de companhias de alto nível e fizeram shows no Brasil e Argentina. Iniciaram seus estudos no Brasil e somente um ano mais tarde vieram os primeiros shows e convites para fazer parte de companhias e espetáculos, não somente como bailarinos, mas também como coreógrafos.

Dirigiram seu próprio espetáculo apresentado em eventos de diversas empresas e Universidades (para mais de 2000 espectadores).Em 2007 iniciaram uma etapa nova: a descoberta e experimentação do Tango Novo. A partir de então vem aperfeiçoando sua técnica e desenvolvendo um estilo próprio. Em 2009 receberam o convite de Pablo Villarraza e Dana Frígoli para trabalhar como bailarinos e professores na companhia DNI Tango em Buenos Aires, Argentina. Desde então integram seu staff sendo o primeiro casal brasileiro a ser contratado por uma companhia estrangeira de tango.

Tango Candango – Vocês já foram inclusive professores em Buenos Aires e são reconhecidos pelo trabalho de qualidade que desempenham juntos. O que diferencia os profissionais do tango do Brasil e de Buenos Aires?

Giulianna Davoli – No Brasil ainda existe uma limitação em relação ao tango, essa coisa de cada um dizer o que é e o que não é. Não existe respeito pelo que é novo. Em Buenos Aires, apesar de existir uma resistência ao novo, existe respeito pelo que é novo, e os profissionais estão sempre desenvolvendo um trabalho, não param no tempo. O aluno de Buenos Aires (pelo menos que eu tive contato), vai para uma escola de tango para aprender, e muitas vezes, passa uma temporada apenas fazendo aula. É um interesse específico. No Brasil, não existe turista vindo buscar o tango. Os alunos são pessoas que tem um dia-a-dia normal, que trabalham e fazem a dança como um hobby. Os profissionais buscam aperfeiçoamento em Buenos Aires. Isso generalizando, claro que aqui também existem alunos que estudam para adquirir conhecimento técnico.

Tango Candango – Como surgiu a oportunidade de apresentar no Festival Tango Gaúcho? O evento acontece nos dias 25,26 e 27 de março em Caxias do Sul. Entre os professores Mariana Montes e Sebastian Arce.

Giulianna Davoli – A gente comentou com o Giovani, idealizador do evento sobre o trabalho que estávamos fazendo e manifestamos interesse de apresentar em um festival como o dele, e ele disse que seria um prazer e foi assim. Quanto aos ensaios a gente foi alguma vezes para Floripa e eles vieram alguma vezes pra São Paulo. Tentamos fazer justo para os dois lados.

Tango Candango – Como surgiu a ideia de fazer um trabalho em parceria com o casal ganhador do campeonato de VI Congresso Internacional de Tango de Floripa?

Giulianna Davoli – A gente tinha vontade de fazer desde o ano passado, quando nos encontramos no Campeonato de Tango em Curitiba. A gente gosta muito do trabalho do Gabi e  da Lidi e eles também do nosso.

” Quando danço em um baile, gosto de me divertir, não fico pensando isso é certo e isso não, como faço em um ensaio, por exemplo”.

Tango Candango – Vocês são conhecidos no Brasil pela excelência de trabalho e diversificam o tango mesclando elementos tradicionais e outros completamente contemporâneos. O que define o tango alternativo?

Giulianna Davoli -O tango alternativo é uma maneira alternativa de dançar o tango, refere-se à técnica aplicada aos movimentos da dança. Utiliza elementos alternativos, tanto fazendo referência à musica -rock, pop, alternativo, tango eletrônico, tango- ou aos movimentos. Colocamos os movimentos (do tango) na música escolhida. Não definir isso é tango, ou não é tango.

Tango Candango– Além do estudo do tango o que pode ajudar e melhorar o equilíbrio e a consciência corporal?

Giulianna Davoli– Praticar pilates, yoga e aula de ballet ou contemporâneo ajuda muito a ter uma consciência corporal.a desenvolver uma consciência corporal. Mas um trabalho com o tango, estudando seus movimento e o que eles provocam no corpo é um estudo bastante importante.

Tango Candango – E você, o que faz?

Giulianna Davoli Olha, eu não faço muita coisa. Faço aula de ballet, faço academia e tento comer pouco. Sempre que posso faço aulas de yoga e pilates. Tento dançar bastante sempre. Eu gosto de me cuidar muito independente da dança, mas com certeza qualquer dançarino tem que se cuidar. Quanto ao tango, eu pratico só com o Rafael – seu parceiro de dança e de vida- tenho muita pretensão de ir sempre a Buenos Aires, mas não tenho tempo, porque além das aulas de dança faço faculdade. Vou sim a bailes aqui no Brasil, só que quando danço em um baile, gosto de me divertir, não fico pensando isso é certo e isso não, como faço em um ensaio, por exemplo.

**A revista Dança em Pauta traz uma entrevista exclusiva com o casal sobre a trajetória no tango. Acesse site aqui e saiba mais.

Gostaram?