O segredo do tango é se divertir

Giulianna Davoli e Rafael Martins. Foto: Divulgação.

Tudo começou em bate-papo no Facebook. Conversando sobre o tango pedi a Giulianna que respondesse algumas perguntas . Sempre muito atenciosa e gentil acatou de pronto a ideia para compartilhar com vocês. Conheça um pouco do trabalho do casal Giuliana Davoli, 20 anos, e Rafael Martins, 24 anos. O resultado dessa conversa você confere agora.

PERFIL

Com mais de 3 anos de parceria, Rafael Martins e Giulianna Davoli já participaram de companhias de alto nível e fizeram shows no Brasil e Argentina. Iniciaram seus estudos no Brasil e somente um ano mais tarde vieram os primeiros shows e convites para fazer parte de companhias e espetáculos, não somente como bailarinos, mas também como coreógrafos.

Dirigiram seu próprio espetáculo apresentado em eventos de diversas empresas e Universidades (para mais de 2000 espectadores).Em 2007 iniciaram uma etapa nova: a descoberta e experimentação do Tango Novo. A partir de então vem aperfeiçoando sua técnica e desenvolvendo um estilo próprio. Em 2009 receberam o convite de Pablo Villarraza e Dana Frígoli para trabalhar como bailarinos e professores na companhia DNI Tango em Buenos Aires, Argentina. Desde então integram seu staff sendo o primeiro casal brasileiro a ser contratado por uma companhia estrangeira de tango.

Tango Candango – Vocês já foram inclusive professores em Buenos Aires e são reconhecidos pelo trabalho de qualidade que desempenham juntos. O que diferencia os profissionais do tango do Brasil e de Buenos Aires?

Giulianna Davoli – No Brasil ainda existe uma limitação em relação ao tango, essa coisa de cada um dizer o que é e o que não é. Não existe respeito pelo que é novo. Em Buenos Aires, apesar de existir uma resistência ao novo, existe respeito pelo que é novo, e os profissionais estão sempre desenvolvendo um trabalho, não param no tempo. O aluno de Buenos Aires (pelo menos que eu tive contato), vai para uma escola de tango para aprender, e muitas vezes, passa uma temporada apenas fazendo aula. É um interesse específico. No Brasil, não existe turista vindo buscar o tango. Os alunos são pessoas que tem um dia-a-dia normal, que trabalham e fazem a dança como um hobby. Os profissionais buscam aperfeiçoamento em Buenos Aires. Isso generalizando, claro que aqui também existem alunos que estudam para adquirir conhecimento técnico.

Tango Candango – Como surgiu a oportunidade de apresentar no Festival Tango Gaúcho? O evento acontece nos dias 25,26 e 27 de março em Caxias do Sul. Entre os professores Mariana Montes e Sebastian Arce.

Giulianna Davoli – A gente comentou com o Giovani, idealizador do evento sobre o trabalho que estávamos fazendo e manifestamos interesse de apresentar em um festival como o dele, e ele disse que seria um prazer e foi assim. Quanto aos ensaios a gente foi alguma vezes para Floripa e eles vieram alguma vezes pra São Paulo. Tentamos fazer justo para os dois lados.

Tango Candango – Como surgiu a ideia de fazer um trabalho em parceria com o casal ganhador do campeonato de VI Congresso Internacional de Tango de Floripa?

Giulianna Davoli – A gente tinha vontade de fazer desde o ano passado, quando nos encontramos no Campeonato de Tango em Curitiba. A gente gosta muito do trabalho do Gabi e  da Lidi e eles também do nosso.

” Quando danço em um baile, gosto de me divertir, não fico pensando isso é certo e isso não, como faço em um ensaio, por exemplo”.

Tango Candango – Vocês são conhecidos no Brasil pela excelência de trabalho e diversificam o tango mesclando elementos tradicionais e outros completamente contemporâneos. O que define o tango alternativo?

Giulianna Davoli -O tango alternativo é uma maneira alternativa de dançar o tango, refere-se à técnica aplicada aos movimentos da dança. Utiliza elementos alternativos, tanto fazendo referência à musica -rock, pop, alternativo, tango eletrônico, tango- ou aos movimentos. Colocamos os movimentos (do tango) na música escolhida. Não definir isso é tango, ou não é tango.

Tango Candango– Além do estudo do tango o que pode ajudar e melhorar o equilíbrio e a consciência corporal?

Giulianna Davoli– Praticar pilates, yoga e aula de ballet ou contemporâneo ajuda muito a ter uma consciência corporal.a desenvolver uma consciência corporal. Mas um trabalho com o tango, estudando seus movimento e o que eles provocam no corpo é um estudo bastante importante.

Tango Candango – E você, o que faz?

Giulianna Davoli Olha, eu não faço muita coisa. Faço aula de ballet, faço academia e tento comer pouco. Sempre que posso faço aulas de yoga e pilates. Tento dançar bastante sempre. Eu gosto de me cuidar muito independente da dança, mas com certeza qualquer dançarino tem que se cuidar. Quanto ao tango, eu pratico só com o Rafael – seu parceiro de dança e de vida- tenho muita pretensão de ir sempre a Buenos Aires, mas não tenho tempo, porque além das aulas de dança faço faculdade. Vou sim a bailes aqui no Brasil, só que quando danço em um baile, gosto de me divertir, não fico pensando isso é certo e isso não, como faço em um ensaio, por exemplo.

**A revista Dança em Pauta traz uma entrevista exclusiva com o casal sobre a trajetória no tango. Acesse site aqui e saiba mais.

Gostaram?

Anúncios

Para conhecer…

Ozgur Demir

Cidadão turco e residente em Buenos Aires desde 2007. Começou sua vida professional  tango na Turquia. Para ele, o tango é a única maneira de ter uma comunicação plena com outra pessoa, tornando-se um dos dois, não só com o corpo, passos ou música, mas também com as almas! Ele aprendeu os primeiros passos de tango na linda cidade de Eskisehir, onde estudou, em seguida, ele pegou dois workshops com o famoso bailarino e professor turco Metin Yazir. Depois que ele chegou em Buenos Aires, estudou com professores conhecidos como Fabian Salas, Julio Balmaceda, Gustavo Naveira e Frumboli Chicho. Mas foi a prática que aprimorou a sua dança. Atualmente trabalha com Marina Marques, mas também trabalhou com Cecilia Berra por um ano. Atuou em muitas milongas de Buenos Aires como a Practica X, Tangolab, Tangocool, Milonga Louca, Maldita, El Beso e etc.

Em Buenos Aires, deu aulas regulares no no Tango Brujo. Seu trabalho é reconhecido na Europa, com diversos workshop’s em Paris, Amsterdã, Berlim, Basileia, Reykjavik, Stocholm, Moscovo, Bruxelas, Madrid.  O segredo do seu trabalho está em  buscar melhorar e aprender.

Marina Marques

Nasceu em São Paulo, Brasil. Iniciou sua carreira artística aos 11 anos de idade, realizou diversos cursos  incluso teatro. Cinco anos mais tarde se interessou em danças latinas.  Dedicou atenção à dança, realizou diversos cursos e aulas com os mais renomados professores. Até que por fim ganhou o título de professora de forró, samba e zouk. Sua necessidade de prosperidade para aprender coisas novas lhe deu o impulso para estudar dança moderna com a “Cia Raça de São Paulo”.Depois ela se especializou em tango, estudando com Jaime Arôxa, Bolaño Ronaldo e Giovanni Giggio do Brasil. Em seguida, ela se mudou para Buenos Aires e trabalhou a dança com professores muito bem conhecidos e de diferentes estilos do tango para melhorar suas habilidades. Atualmente, ela dá aulas e faz performances com o parceiro por toda a Europa, Argentina e Brasil.

Ozgur Demir e Marina Marques. Foto: Divulgação

 

**Recentemente ministraram workshop na academia de dança Improviso, em Botafogo (RJ). A academia é ministrada por Alice Vasques e André Sampaio. De passagem pelo Rio é lugar obrigatório para visitar.

Informações: Ozgur Demir, site oficial.