No Rio: diálogo musical entre Brasil e Argentina

Uma série de concertos mensais, que terá início nesta terça-feira (26), vai promover até novembro, no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB) do Rio de Janeiro, o diálogo musical entre o Brasil e a Argentina. Reunindo em cada uma das apresentações instrumentistas e cantores dos dois países, a sérieMPAeB pretende mostrar que há similaridades nessas duas fortes linguagens musicais da América do Sul.

A iniciativa partiu do músico carioca Mário Sève e da cantora e letrista portenha Cecilia Stanzione. Conectados pela internet, os dois desenvolveram a partir de junho de 2008 uma fértil parceria, que resultou em 13 canções que formam o repertório do concerto de abertura da série. Em Cancion Necessaria – Brasil y Argentina, Cecilia (voz) e Mario (sax, flauta e arranjos) estarão acompanhados de uma banda formada por músicos dos dois países. O encontro também marca o lançamento do CD que registra 11 das canções produzidas pela dupla.

“O tango, o choro, a modinha e as valsas respiram de uma maneira muito parecida na música brasileira e na argentina”, diz Sève, também curador da série. “A partir do trabalho conjunto que iniciamos, comecei a conhecer um universo ligado à música folclórica argentina e Cecilia um pouco mais das raízes do samba brasileiro.”

Segundo Sève, os concertos não vão enfocar somente o tango, que é essencialmente a música de Buenos Aires. “Em outras partes do país, você tem uma variedade musical muito interessante, que mistura a influência europeia com uma cultura nativa e que resultou em gêneros como a chacarera, o zamba e o chamamé.”

O segundo concerto da série, Tango Y Tango Brasileiro, no dia 23 de agosto, vai reunir o tango e o choro, que no início do século 20 era chamado de “tango brasileiro”. “Era essa a denominação que traziam as partituras das músicas de Ernesto Nazareth, um dos maiores compositores brasileiros de todos os tempos, mas o tango brasileiro nada mais é do que um choro”, diz Sève.

Nesse concerto, vão se apresentar duas lendas do tango argentino, o bandeonista Walter Ríos e o contrabaixista Oscar Giunta, juntamente com o pianista brasileiro Cristóvão Bastos, tocando um repertório que vai misturar Nazareth com Carlos Gardel.

Os concertos seguintes serão Folclore com K, no dia 27 de setembro, com o pianista argentino Carlos Aguirre e o brasileiro Benjamin Taubkin Trio, de São Paulo, e MPA y MPB, reunindo o grupo Aca Seca, do país vizinho e o cantor e violonista mineiro Sergio Santos, no dia 25 de outubro. Encerrando a série, La Zamba y o Samba, no dia 22 de novembro, terá o grupo carioca Nó em Pingo D’Água se apresentando com os argentinos Hernán Ríos e Norbi Córdoba.

Cada concerto terá duas apresentações, às 12h30 e às 19h, com ingressos a R$ 6 (inteira) e R$ 3 (para estudantes e maiores de 60 anos). Segundo Sève, a ideia é levar depois a série para outras cidades brasileiras e também para Buenos Aires.

Crédito: odiario.com

Para conhecer…

Ozgur Demir

Cidadão turco e residente em Buenos Aires desde 2007. Começou sua vida professional  tango na Turquia. Para ele, o tango é a única maneira de ter uma comunicação plena com outra pessoa, tornando-se um dos dois, não só com o corpo, passos ou música, mas também com as almas! Ele aprendeu os primeiros passos de tango na linda cidade de Eskisehir, onde estudou, em seguida, ele pegou dois workshops com o famoso bailarino e professor turco Metin Yazir. Depois que ele chegou em Buenos Aires, estudou com professores conhecidos como Fabian Salas, Julio Balmaceda, Gustavo Naveira e Frumboli Chicho. Mas foi a prática que aprimorou a sua dança. Atualmente trabalha com Marina Marques, mas também trabalhou com Cecilia Berra por um ano. Atuou em muitas milongas de Buenos Aires como a Practica X, Tangolab, Tangocool, Milonga Louca, Maldita, El Beso e etc.

Em Buenos Aires, deu aulas regulares no no Tango Brujo. Seu trabalho é reconhecido na Europa, com diversos workshop’s em Paris, Amsterdã, Berlim, Basileia, Reykjavik, Stocholm, Moscovo, Bruxelas, Madrid.  O segredo do seu trabalho está em  buscar melhorar e aprender.

Marina Marques

Nasceu em São Paulo, Brasil. Iniciou sua carreira artística aos 11 anos de idade, realizou diversos cursos  incluso teatro. Cinco anos mais tarde se interessou em danças latinas.  Dedicou atenção à dança, realizou diversos cursos e aulas com os mais renomados professores. Até que por fim ganhou o título de professora de forró, samba e zouk. Sua necessidade de prosperidade para aprender coisas novas lhe deu o impulso para estudar dança moderna com a “Cia Raça de São Paulo”.Depois ela se especializou em tango, estudando com Jaime Arôxa, Bolaño Ronaldo e Giovanni Giggio do Brasil. Em seguida, ela se mudou para Buenos Aires e trabalhou a dança com professores muito bem conhecidos e de diferentes estilos do tango para melhorar suas habilidades. Atualmente, ela dá aulas e faz performances com o parceiro por toda a Europa, Argentina e Brasil.

Ozgur Demir e Marina Marques. Foto: Divulgação

 

**Recentemente ministraram workshop na academia de dança Improviso, em Botafogo (RJ). A academia é ministrada por Alice Vasques e André Sampaio. De passagem pelo Rio é lugar obrigatório para visitar.

Informações: Ozgur Demir, site oficial.